6 de novembro de 2011

Edifícios Sustentáveis.

Os edifícios sustentáveis ou green buildings previstos para serem construídos na capital paulista vão aumentar quase 80%, em termos de volume, até o ano de 2013. 

De acordo com um estudo da consultoria imobiliária Cushman & Wakefield, dos atuais 446,3 mil metros quadrados existentes em São Paulo, as construções passarão a ocupar 773,5 mil m2 até o período em questão.

“São Paulo concentra não só um dos maiores mercados do País, mas o mais competitivo em negócios também. Isso favorece tal concentração de empresas”, diz o diretor de engenharia e sustentabilidade da Cushman & Wakefield, João Alves Pacheco.

Na opinião dele, o cenário será ainda favorecido pela política de muitas dessas companhias, que costumam incluir em seu planejamento medidas de longo prazo mais sustentáveis para seus escritórios. 

 “As empresas sediadas na capital paulista, mais especificamente na Berrini, Vila Olímpia, Marginal Pinheiros e na Faria Lima, tendem a projetar em seus escritórios os valores da organização. Quem constrói geralmente percebe esse conceito já na obra”, explica.

Outras Cidades.

A expansão verde também será favorável em outras cidades. Segundo o levantamento, para os próximos dois anos, já estão previstos mais 379,6 mil m2 na cidade do Rio de Janeiro – mais que o dobro da metragem atual, estimada em 144,2 mil m2.

Nesta região, a área central deverá ser a mais valorizada. “O Rio de Janeiro tem vivenciado um movimento de revitalização do centro. As empresas estão investindo na restauração dos edifícios e estão apostando nas técnicas de retrofit”, diz Pacheco.

O centro também já chama a atenção dos empresários em outras localidades, como em Curitiba, por exemplo. Para se ter uma ideia, na cidade em questão, além da área já mencionada, as maiores concentrações de edifícios green se encontram no Centro Cívico e no bairro do Batel.

“Curitiba responderá por quase 80 mil m2 do novo estoque de edifícios verdes até 2013. Hoje, a cidade possui apenas 7,8 mil m2", detalha Pacheco.

Perspectivas:

Promissor, tal cenário revela possibilidades ainda pouco exploradas no segmento, especialmente por conta do pouco tempo de tal prática no mercado nacional.

“Essa modalidade sustentável começou no País em 2007 e, apesar de recente, já apresenta um número razoável de empreendimentos. Nossa intenção será mostrar que essa será uma tendência e que tais lançamentos serão crescentes no Brasil”, diz Pacheco.

Serviços:


Por Eliane Quinalia
Matéria: segs.com.br

Edição e Publicação | Sergio Amaral | Blog Imovel e Dicas  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Nome e Email ao final da Mensagem, caso deseje alguma informação específica.

Atenciosamente.

Brasil Brokers Enjoy