15 de abril de 2013

Consórcios na Compra de Imóveis.

consórcios



O técnico de prótese dentária Tiago, de 31 anos, procurou um consórcio para adquirir um novo apartamento, quando suas condições financeiras melhoraram.





Já o médico Mauro, de 53, pretendia investir os recursos que acumulara durante a vida profissional ao aderir a um grupo de consorciados, há cerca de dez anos. Hoje, um tem casa nova, e o outro ganha dinheiro como investidor no mercado imobiliário: 

Apenas nove meses depois de entrar no negócio, o protético foi contemplado por sorteio em um das duas cotas que adquiriu. "Vendi meu apartamento no dia seguinte que fui contemplado, peguei parte do dinheiro e dei um lance para a outra cota", conta. De posse de duas cartas de crédito e de recursos da venda do seu antigo bem, pôde comprar o apartamento onde vive, em São Bernardo do Campo.

O médico foi mais arrojado. Com suas reservas financeiras, ele garantiu por lance o crédito de uma série de cartas que, juntas, foram suficientes para pagar um imóvel comercial de alto padrão, dando início ao seu acúmulo de patrimônio. Ele quitou, com os rendimentos da locação do bem, as cotas que adquiriu. "É preciso ter um capital inicial, conhecer o mercado e sorte”.

Os consórcios podem ser usados com variadas finalidades, da compra de um terreno à reforma e à construção de edificações. O acesso ao crédito, porém, nem sempre é tão rápido quanto foi para esses dois consumidores, depende da duração do grupo formado, da sorte e da estratégia dos participantes.

"Esse é um caminho intermediário entre o financiamento e a poupança prévia. O financiamento ainda é muito caro. E é complicado fazer um plano de poupança se a pessoa não tem muitos recursos, porque os juros da renda fixa caíram", diz o educador financeiro Mauro Calil.

compra de imóveis



O custo dos consórcios envolve basicamente a taxa de administração do agente financeiro, um fundo de reserva e, de forma opcional, um seguro de vida.






No mercado, há cartas de crédito de até R$ 700 mil em grupos de 200 meses e taxas totais de administração, para todo o período, de até 24,5%, entre as maiores administradoras. Algumas empresas cobram nesse percentual taxa de adesão nos primeiros meses de participação. O fundo de reserva, por sua vez, não passa de 5% do valor da cota, e parte dos recursos é devolvida após o encerramento do grupo.

De acordo com Calil, a contemplação costuma ser vantajosa quando ocorre no início do tempo de vida do consórcio, na medida em que o cliente pode adquirir o bem enquanto os outros participantes são apenas poupadores. Os lances, se selecionados, são formas de antecipar o acesso aos recursos.

"Todo mês é feita uma assembléia e, nela, sorteamos quem terá o direito de obter o crédito. Há também os contemplados por lance fixo e lance livre", diz o diretor de consórcios da Caixa Seguros, Maurício Maciel.

Assim como ocorre nos financiamentos imobiliários, os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) podem ser usados nos consórcios, neste último caso, inclusive para compor os lances nas assembléias. "É uma vantagem que o consumidor deve olhar com mais atenção", diz o presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), Paulo Roberto Rossi.

"Se a pessoa quer fazer uma compra programada, o consórcio é muito atrativo. Mas, se precisa do imóvel de imediato, vai para o financiamento imobiliário", acrescenta o diretor da Bradesco Consórcio, Hélio Dias.

Você tem bons motivos para Comprar seu Imóvel na Brasil Brokers - Solicite aqui um Credito Imobiliário.


Portal: Estadão e MSN

Edição e Publicação | Equipe | Imovel e Dicas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Nome e Email ao final da Mensagem, caso deseje alguma informação específica.

Atenciosamente.

Brasil Brokers Enjoy